Wueby! a Rede Social

Wueby! a Rede Social
Crie Uma Conta no Wueby! a Rede Social Brasileira!

domingo

Jeito Punk de Ser


O famoso Movimento Punk, embora eu não seja adepto do visual do mesmo eu gosto muito do som, grande maioria das bandas que ouvi na vida seguem a ideologia punk. É uma forma muito genuína de expressão, sempre cercada de polêmica e preconceitos. E por isso sua história merece ser conhecida por todos.

Punk rock é um movimento musical e socio-cultural que surgiu em meados da década de 1970, que tem como principais características músicas simples (que geralmente não passam de três ou quatro acordes), rápidas e agressivas, temas que abordam idéias anarquistas e revolucionárias, ou sobre problemas políticos e sociais como o desemprego, a guerra e a violência. O visual agressivo, que foge dos padrões da moda, a filosofia DIY - Do it yourself "faça-você-mesmo" e as atitudes destrutivas também são outras características do punk.
Suas raízes tem origens nos Estados Unidos, com bandas como New York Dolls, Stooges, MC5, The Dictators e Ramones. O estilo se popularizarizou na Europa com inúmeras bandas, tendo como destaque o The Clash e o  Sex Pistols. Mais tarde, o movimento se espalharia pelo mundo todo e até os anos 1980 praticamente todos os países teriam uma cena de punk rock.
  
Desde o seu início, a cultura punk teve ideias apartidárias e a liberdade para acreditar ou não no que quiser. Por se assemelhar em diversos aspectos com o anarquismo (posteriormente, a principio o movimento punk era apolítico), punks e anarquistas passaram a colaborar entre si e muitas vezes participando das ações. Passaram então a existir muitos punks que também eram realmente anarquistas, e posteriormente surgiu o anarcopunk, este ganhou um novo rumo com redirecionamento a uma nova militância política, com discursos e ações mais ativas, opondo-se à mídia tradicional, ao Estado, às instituições religiosas e grandes corporações capitalistas.
O punk rock brasileiro surgiu como crítica à censura e à repressão do regime militar, no final da década de 1970. Atualmente, o que a grande maioria ainda considera o principal problema do Movimento Punk são as gangues, que estiveram presentes no começo deste movimento, principalmente em São Paulo.
   
Devido a grande violência e brigas geradas pelas gangues punks, os jornais, noticiários e a mídia em geral começou a ver o movimento e os punks com maus olhos, criando várias mentiras que desmoralizaram o movimento. Diziam que punks batiam em velhinhas, roubavam e só queriam destruir tudo. Isso fez com que a maior parte da população tivesse uma imagem errada dos punks, e também os policias e militares tiveram atitudes muito radicais com os punks e a repressão entre eles aumentou. Em resposta a imprensa diz que isso é devido ao fato dos punks em geral se posicionarem contra a mídia. Atualmente, devido uma série de ocorridos semelhantes, os punks ainda sofrem uma série de "pequenos preconceitos", por parte da grande parte da população e pelos jovens mais fechados.

O movimento punk no Brasil seguiu firme e forte, mesmo com todas as dificuldades, e foi crescendo, e hoje praticamente todas cidades brasileiras tem uma cena punk e o movimento brasileiro é considerado um dos maiores do mundo, com muitas bandas brasileiras indo tocar na Europa em festivais importantes.
   
Na realidade a verdadeira ideologia punk não pode ser explicada em apenas uma matéria, existem subdivisões e muitos conceitos que só são compreendidos nas ruas com a convivência com outros punks. Punk é um grito de liberdade a tudo de ruim que existe por aí não somente de forma politica, mostrar ao mundo as coisas erradas do cotidiano e gritar  visualmente e musicalmente, protestar e tentar recomeçar com uma postura de choque e contestação.
O visual é, junto à música, o aspecto cultural mais característico e evidente do punk. O termo moda, no entanto, não é aceito pelos punks e influenciados pela cultura punk, é entendido que não é modismo, não existe necessidade de aceitação social, comércio e/ou mera aparência. Costuma-se empregar o termo estilo, com o significado de "roupa como afirmação pessoal", ou mais comumente ainda o termo visual, utilizado em quase toda a cultura alternativa brasileira, não somente no meio punk. 
   
O estilo punk em sua grande maioria pode ser reconhecido pela combinação de alguns elementos considerados típicos (alfinetes, patches, lenços à mostra no bolso traseiro da calça, calças jeans rasgadas, calças pretas justas, jaquetas de couro com rebites e mensagens inscritas nas costas, coturnos, piercings, tênis converse, correntes, corte de cabelo moicano,(colorido ou espetado, etc) ou Spike (espetado dos lados, atrás e em cima) e em alguns casos lápis ou sombra no olho, sendo esta combinação aleatória ou de acordo com combinações comuns à certos sub-gêneros punk, ou ainda o reconhecimento pode ser pelo uso de uma aparência que seja desleixada, "artesanalmente" adaptada e que carregue alguma sugestão ou similaridade com o punk sem necessariamente utilizar os itens tradicionais do estilo. Lembrando sempre que o moicano não é obrigatório, existem várias vertentes do punk em que seus adeptos se vestem de formas diferenciadas e sem estereótipos.
Estilos mais apreciados no movimento punk
  • Hardcore punk: Uma versão mais agressiva, mais rápida e mais crítica do punk rock. Começou nos EUA no final dos anos 1970.
  • Anarco-punk: Punk rock com temáticas anarquistas radicais. As bandas levam a ideologia anaquista com seriedade e não só fazem músicas com esse tema, como também põe as atitudes em ação. É uma versão com mais formação, seriedade, e radicalismo do movimento punk.
  • Crust punk: Também conhecido como Crustcore, se assemelha muito ao grindcore e diminui consideravelmente a influência das estruturas musicais do thrash metal, punk rock e hardcore punk. As letras das bandas de crust punk se assemelham muito com as do anarco-punk.
  • Streetpunk/Oi!: Foi o revivalismo do punk rock dos anos 1970. Tinha temáticas realistas e críticas. Começou no final dos anos 1970 com bandas como o Sham 69 e o Cockney Rejects.
  • Raw punk: Originalmente Råpunk , é um termo usado para bandas suecas do início da década de 80. Uma das características do raw punk é a valorização do punk como cultura. Usam sempre um visual agressivo, com jaquetas de couro rebitadas, cabelos espetados e coloridos. A cena rawpunk é muito grande no estado de São Paulo, e vai se estendendo pelo resto do Brasil.
  • Psychobilly: Mistura entre o punk rock dos anos 1970 e o rockabilly dos anos 1950 e letras com temas inspirados em filmes B, horror, zumbis, sexo, drogas, alucinações, mortos e pervessões.
  • Horror punk: Punk rock com letras tratando sobre temas de horror, surgiu no fim dos anos 70 com a banda Misfits.
  • Ska punk: Mistura entre o ska e o punk rock.


O movimento punk não fica calado, acomodado, como a maioria dos jovens e o povo em geral, fazendo manifestações, panfletagens, boicotes, passeatas: mostrando sua cultura e seu repúdio a todas as formas de facismo, nazismo e racismo, autoritarismo, sexismo e comando; vendo como solução a autogestão, que seria a organização dos povos sem fronteiras nem lideranças autoritárias e partidárias, com plena igualdade, onde todos participariam da resolução dos problemas sociais. Saiba e conscientize-se que Punk não é bagunça, muito pelo contrário é um movimento cultural de luta e ação direta, de liberdade de expressão e de comportamento. O movimento que surgiu a quase duas décadas, como contestação, evoluiu e evolui até hoje...

fonte: http://www.beautyrock.com.br/2011/03/jeito-punk-de-ser.html

Nenhum comentário: